Olho Clínico


NA INFÂNCIA

A criança, por sua própria natureza, fica mais exposta a acidentes que atingem os olhos.
A maioria deles ocorre dentro ou nas proximidades de sua casa.
Os mais freqüentes causadores de acidentes são: tesouras, facas, arames, tiros de espingarda de pressão, fogos de artifício (explodindo dentro de latas ou vidros), bicadas e mordidas de animais. Além desses, tome cuidado com álcool, ácidos, material de limpeza e tintas de parede. Todos devem ser mantidos fora do alcance das crianças.

ADULTOS

Os acidentes perfurantes oculares em adultos ocorrem basicamente no trabalho ou no trânsito.

No trabalho devem-se fundamentalmente à falta de uso de equipamentos de proteção específicos para as diversas atividades.
É indispensável o uso de óculos, luvas, etc., que as indústrias são obrigadas, por Lei, a fornecer aos trabalhadores.

É possível avaliar a visão de cada olho da criança. Com crianças de mais de um ano de idade faz-se a seguinte “brincadeira”: ocluir um olho com gaze ou um pequeno pedaço de pano e observar a capacidade da criança em apanhar objetos espalhados pelo piso (chaveiro, brinquedos etc). Repete-se a operação com o outro olho tampado.

A atitude da criança que enxerga bem com os dois olhos será semelhante com cada olho ocluído. À criança com mais de três anos pode-se mostrar e pedir que ela identifique objetos localizados a 5 metros. O teste deve ser realizado com um olho ocluído de cada vez.

Ambliopia é uma situação onde a visão da criança não se desenvolve, tornando-se fraca em um olho ou mesmo nos dois olhos (olho preguiçoso).

Isso pode acontecer mesmo estando a vista aparentemente normal.

Há muitas causas que levam à ambliopia. A principal é o estrabismo.

O método mais simples e eficiente para se descobrir a ambliopia é medir separadamente a visão de cada olho.

A ambliopia atinge 4 em cada 100 crianças, sendo que metade delas fica estrábica. Esse mal deve ser descoberto e logo tratado, antes da idade escolar, período em que a visão ainda está se desenvolvendo e pode ser corrigida. O tratamento indicado é o uso de tampão (oclusão) no olho bom, para forçar o olho mais fraco a enxergar mais. Geralmente também é necessário o uso de óculos.

QUANDO O TRATAMENTO É SEGUIDO CORRETAMENTE SOB ORIENTAÇÃO MÉDICA E NA ÉPOCA ADEQUADA, A CURA OCORRE PRATICAMENTE EM TODOS OS CASOS.

O tampão é essencial e indispensável no tratamento da ambliopia. Os pais de crianças com ambliopia devem estar cientes de que o tratamento é longo e é, também, o único meio eficaz de corrigir o problema.

É todo problema visual que pode ser resolvido com óculos ou lentes de contato. Ex: Miopia, Hipermetropia, Astigmatismo e Presbiopia.

É um defeito de refração (ametropia) causado por curvaturas defeituosas da superfície da córnea ou do cristalino. A focalização das imagens fica prejudicada e a pessoa passa a apresentar sintomas como: visão borrada, dores de cabeça, fotofobia (aversão à luz), náuseas, cansaço visual etc. Este problema é solucionado com o uso de óculos ou lentes de contato especiais. A cirurgia pelo Excimer Laser também corrige os astigmatismos corneanos.

Inflamação aguda ou crônica das pálpebras. Olhos com Blefarite podem apresentar vermelhidão e pruridos constantes nos bordos palpebrais, caspa nos cílios, dolorimento palpebral, ardência e cansaço.

As causas da Blefarite são variadas, indo desde problemas alimentares até alergias diversas: poeira, cosméticos, fumaças, produtos químicos etc.

As ametropias levam a cansaço visual e congestão palpebral que podem se transformar em Blefarite devido à necessidade que a pessoa sente de apertar os olhos e coçar as pálpebras com freqüência.

Outros:

Tumor palpebral benigno, também conhecido como terçol, formado pela retenção de secreção de glândulas palpebrais profundas que desembocam no bordo onde se implantam os cílios.

Se o tratamento com colírios ou compressas não resolver, pode ser necessária uma drenagem com anestesia local, praticamente indolor.

É uma doença benigna que causa diminuição da visão, e até cegueira reversível cirurgicamente, por tornar opaco e esbranquiçado o cristalino (lente transparente que fica atrás da pupila), o que pode se notado externamente quando a pupila (menina dos olhos) fica com uma coloração leitosa. É mais comum acontecer acima dos 60 anos de idade, mas pode ocorrer antes.

A catarata do adulto não é caso de urgência e nem todas as cataratas precisam ser operadas. A maioria delas estaciona num ponto em que a cirurgia não se faz necessária. O uso de colírios não ajuda a cura da catarata.

Antes dos 60 anos uma pessoa pode ter catarata por várias causas: diabetes, glaucoma, ou trauma na cabeça.

Há uma forma de catarata quem atinge crianças recém-nascidas – a Catarata Congênita. Aparece mais nas crianças cujas mães tiveram alguma doença na gravidez, como rubéola, toxoplasmose ou sífilis. O tratamento é a cirurgia, que deve ser feita o mais rápido possível.

É a única forma de dar à criança possibilidade de ter alguma visão.

Cisco no olho pode ser muito perigoso, se estiver na frente da menina dos olhos (Pupila). Fagulha de metal, então, nem se fala! Nunca tente retirá-los com objetos caseiros.

Esses casos são sempre de URGÊNCIA. Cuidado: O uso repetido de colírio anestésico pode levar à perda do olho.

A Ceratectomia Foto-ablativa (Cirurgia refrativa pelo Excimer Laser) é uma técnica cirúrgica oftalmológica para correção de miopia, astigmatismo e hipermetropia, desde que enquadradas nos padrões fixados por normas internacionais. A depender da correção a ser feita, a técnica pode variar entre o PRK (laser) ou o LASIK (ceratotomia mais laser), ambas sem necessidade de pontos cirúrgicos e sempre com anestesia tópica (colírio).

Os melhores resultados são obtidos em ametropias moderadas, entre 2 e 7 dioptrias (graus) no caso das miopias, variando no caso da concomitância de astigmatismos. O tempo médio do ato cirúrgico é de aproximadamente 3 a 6 minutos para cada olho. Na grande maioria dos casos, o resultado pós-cirúrgico é muito satisfatório, motivo pelo qual a cirurgia refrativa pelo Excimer Laser já se difundiu muito no Brasil e em vários países, com diversas empresas pesquisando e fornecendo equipamentos cada vez mais evoluídos. Mas, como ocorre estatisticamente em qualquer ato cirúrgico, a técnica do Excimer Laser, embora bastante segura, pode apresentar algumas restrições de ordem prática.

O resultado final pode variar de pessoa para pessoa, ainda que o procedimento seja rigorosamente igual, motivo pelo qual nenhum cirurgião costuma garantir sucesso absoluto. Dentre os fatores que podem influir no resultado final deste tipo de cirurgia estão: idade (não recomendada para pessoas com menos de 20 anos ou com mais de 60 anos), estado psicológico, doenças pré-existentes, alergias, hábitos alimentares e vícios em geral.

Acrescente-se a isso os casos (felizmente raros) de pacientes que não seguem à risca as recomendações médicas pré e pós-cirúrgicas. Em qualquer caso, uma resposta mais precisa sobre o prognóstico pós-cirúrgico somente poderá ser dada depois de uma completa avaliação oftalmológica prévia, que inclui: refratometria sob cicloplegia (Exame de óculos), tonometria de aplanação, fundoscopia, biomicroscopia, ceratometria computadorizada, paquimetria ultrassônica e topografia computadorizada de córnea. Os modernos equipamentos de aberrometria e wave-front (laser frente de onda) são muito mais sensíveis e efetivos na correção das mais variadas ametropias.

Há muitos tipos de colírios destinados ao tratamento de diferentes doenças dos olhos. Os olhos entretanto, são orgãos de muita sensibilidade. Assim sendo, o uso de qualquer tipo de colírio, sem orientação e controle do médico, poderá causar mais problemas do que resultados positivos. Um colírio bom para conjuntivite de uma pessoa poderá ser prejudicial para outra que aparentemente tenha o mesmo problema.

Como usar um colírio

  1. Lave as mãos
  2. Levante a cabeça e puxe a pálpebra para baixo a fim de que o colírio caia dentro do olho.
  3. Use apenas uma gota.
  4. Mantenha os olhos fechado por 2 minutos.
  5. Não esfregue os olhos ou pisque depois de pingar o colírio.

Cuidados com o colírio

  1. Os frascos devem ser mantidos bem fechados e ao abrigo da luz.
  2. Frascos abertos há muito tempo devem ser jogados fora. Observe o prazo de validade impresso no rótulo ou na caixa.
  3. Ao usar o colírio, coloque a tampa em lugar limpo, evitando que a parte de dentro encoste-se a qualquer superfície ou objeto.

Atenção: O uso excessivo de colírio pode causar sérios problemas para os olhos, por isso, siga sempre a orientação do seu médico.

A conjuntivite (popularmente chamada de dor-d’olhos) é uma infecção que se caracteriza por uma sensação de areia nos olhos, olho vermelho, purgação (a pessoa amanhece com os olhos grudados), dificuldade para abrir os olhos na claridade e, às vezes, pálpebras inchadas.

De modo geral, qualquer médico (clinico geral ou pediatra) pode orientar o tratamento. Se o caso complicar-se ou não melhorar em dois ou três dias com o colírio receitado, deve-se procurar o oftalmologista.

As conjuntivites, também conhecidas como dor-d’olhos, e que podem aparecer nos primeiros dias de vida do bebê, devem ser examinadas pelo médico, para que o tratamento seja correto.

Deve ser levada com urgência ao oftalmologista (médico especializado em olhos) toda criança que apresentar, ao nascer, mancha branca na menina dos olhos, muito lacrimejamento, olhos muito grandes, olhos que balançam muito de um lado para o outro, ou crianças que não suportem a claridade.

  • Não deixe ao alcance de crianças objetos cortantes ou pontiagudos, tais como facas, tesouras, garfos, chaves de fenda, lápis, canetas, varetas e arames.
  • Em sítios e fazendas é preciso muito cuidado com animais como galinhas,
    patos, gansos, gatos, papagaios, etc., que podem atingir os olhos da criança com bicadas ou arranhões.
  • Cuidado para não deixar produtos de limpeza atingir os olhos (água sanitária, soda cáustica, álcool, detergentes, etc.). Caso isso aconteça, lave muito bem os olhos (20 a 30 minutos) com água limpa e, somente após isso, com urgência, procure atendimento médico.
  • Muitas plantas domésticas, principalmente as pontudas, as espinhosas, ou aquelas que soltam líquido leitoso (por ex.:Coroa-de-Cristo), podem causar problemas sérios se atingirem os olhos.
  • Pais que fumam nunca devem segurar seus filhos quando estiverem com o cigarro aceso. Assim, evitarão irritações causadas pela fumaça e queimaduras que atinjam o rosto, especialmente os olhos.

O cuidado mais importante é seguir corretamente o pré-natal, evitando, assim, problemas de visão da mãe e do filho que vai nascer.

Doenças como rubéola e toxoplasmose, que podem afetar as mães nos três primeiros meses de gravidez, podem, ao mesmo tempo, causar cegueira e problemas neurológicos na criança. Se você é gestante, não deixe de fazer o pré-natal.

Nos Postos de Saúde da Rede Pública esse acompanhamento é eficiente e gratuito.

  • O uso do cinto de segurança é indispensável também dentro da cidade, onde se verifica a maioria dos acidentes com perfurações nos olhos.
  • Crianças de até 12 anos de idade devem estar sempre no banco traseiro.
  • Jamais leve criança, de qualquer idade, no colo, principalmente no banco da frente.

A Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) afeta a parte central da retina (tecido nervoso sensível à luz). Toda a retina contribui para a visão, mas somente a mácula define uma visão nítida, que permite ver detalhes.

Se sua visão ficar distorcida ou com uma mancha escura no centro, faça logo um exame ocular.

É uma doença causada pelo aumento do açúcar no sangue e pode afetar várias partes do organismo.

Os olhos podem ser atingidos de várias maneiras, todas elas podendo causar cegueira:

  • formação de catarata
  • hemorragias de fundo de olho
  • descolamento da retina

Essas e outras alterações podem ser evitadas ou diminuídas com o controle da doença pelo médico clínico e pelo oftalmologista.

A Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) afeta a parte central da retina (tecido nervoso sensível à luz). Toda a retina contribui para a visão, mas somente a mácula define uma visão nítida, que permite ver detalhes.

Se sua visão ficar distorcida ou com uma mancha escura no centro, faça logo um exame ocular.

85% (oitenta e cinco por cento) do nosso relacionamento com o ambiente em que vivemos é feito através da visão.

Ao nascer, a criança enxerga pouco. Sua visão vai se desenvolvendo a cada dia, até que, aos 5 anos, ela atinge uma visão completa, como a do adulto. Por isso é muito importante que os problemas de visão das crianças sejam tratados antes dos 6 anos, período em que a visão está se desenvolvendo.

Outros:

Se notar olho torto na criança (vesguice ou estrabismo), leve-a depressa ao Posto de Saúde. Estrabismo não se cura sozinho! Estrabismo deve ser tratado: quanto mais cedo, melhor! Algumas doenças graves podem causar estrabismo.

É uma doença causada pelo aumento da pressão dentro do olho. Atinge principalmente pessoas com idade acima de 40 anos.

O desenvolvimento mais comum desta doença é silencioso – a pessoa não percebe que está com glaucoma porque não sente (Glaucoma Crônico Simples).
Quando percebe alguma coisa, em geral visão diminuída ou dor ocular, a doença já está avançada.

Quando o glaucoma é descoberto logo, há tratamentos eficientes. Às vezes, só o uso correto de colírios recomendados pelo oftalmologista é capaz de controlar a doença, impedindo, dessa forma, uma evolução para a cegueira. O diagnóstico é feito através da medição da pressão do olho, num exame indolor e rápido, que faz parte da rotina de uma consulta oftalmológica. Os exames de campo visual e fundo de olho ajudam no diagnóstico e controle da evolução da doença.

Existe uma outra forma de glaucoma, que atinge crianças recém-nascidas – o Glaucoma Congênito. A criança tem lacrimejamento, horror à claridade e os olhos começam a crescer. O tratamento deve ser precoce, nos primeiros meses de vida. A cura é conseguida através de cirurgia.

O Glaucoma Agudo causa dor intensa, vermelhidão, fotofobia e diminuição abrupta da visão devido a um aumento rápido e exagerado da pressão intra-ocular. Necessita tratamento urgente sob pena de cegar o paciente em poucas horas.

Hipermetropia é uma ametropia, ou seja, um erro de refração, que exige correção com óculos ou lentes de contato. Em geral é uma característica hereditária, como a Miopia e o Astigmatismo, e não propriamente uma doença. No olho do hipermétrope a imagem focada se projeta virtualmente num ponto situado atrás da retina e não exatamente sobre a retina, como seria o certo.

Com isso a visão não fica nítida e o hipermétrope tem que fazer muito esforço para enxergar, principalmente os objetos mais próximos ao rosto como textos de livros. O problema é resolvido com uso de lentes convexas (positivas).

A Miopia é uma ametropia, ou seja, um erro de refração, que exige correção com óculos ou lentes de contato. Em geral é uma característica hereditária, como a hipermetropia e o astigmatismo, e não propriamente uma doença.

No olho míope a imagem focada se projeta virtualmente num ponto situado à frente (antes) da retina e não exatamente sobre a retina, como seria o certo. Com isso a imagem não fica nítida e o míope tem que fazer muito esforço para enxergar objetos mais distantes. Em miopias altas é impossível enxergar de longe.

Sem o uso de óculos o míope só enxerga bem quando aproxima bem do rosto dos objetos e dos textos de leitura. O problema é corrigido com uso de lentes côncavas (negativas).

  • Óculos de grau (corretivos) só devem ser usados seguindo-se a orientação do oftalmologista, após consulta e exame completo.
  • A lentes dos óculos podem ser de vidro ou, mais comumente, de resina.
  • Não existe uma idade para o início do uso de óculos. Tanto podem ser necessários desde muito cedo (antes de 1 ano de idade) como só depois de adulto.
  • Quando o uso do óculos é necessário para uma criança, o tratamento só poderá ser vem sucedido se os pais colaborarem, encarando o fato com naturalidade, principalmente na presença da criança. Assim ela usará os óculos com tranqüilidade e segurança.
  • Está comprovado que 15% (quinze por cento) das crianças, e quase todos os adultos acima de 45 anos, precisam usar óculos.
  • Tenha pena da criança que precisa usar óculos e não os usa. Sua capacidade de aprendizado e observação do mundo estará prejudicada. Criança de óculos não é “coitadinha”.

Sintomas mais comuns na criança que pode estar precisando de óculos

  • Dor de cabeça ou mal-estar durante ou após um esforço visual (leitura, aula etc.).
  • Franzir a testa para olhar à distância.
  • Aproximar-se muito de livros, TV ou cadernos para ler
  • Desinteresse por leitura.

Se no seu trabalho você fica exposto à poeira, inseticidas, vapores químicos, solda ou objetos volantes, nunca deixe de usar os óculos de proteção.

Não se esqueça de usá-los também em casa quando realizar tarefas semelhantes.
Há mais olhos perdidos em acidentes de trabalho do que braços e pernas.

É um problema de visão para perto, inevitável após os 40 anos de idade, onde o indivíduo tem dificuldade para ver imagens próximas e vai precisar de óculos para enxergar de perto (menos de 45 cm).

Eventualmente, alguns míopes podem não precisar de óculos específicos para leitura mesmo após os 40 anos, mas isso é raro.

Aparece comumente em pessoas que trabalhem em locais com muito sol, vento ou poeira. Começa com uma “pelezinha” em cima do branco do olho (esclera), quem vai crescendo em direção à menina dos olhos (pupila).

Geralmente provoca ardor e queimação, deixando os olhos vermelhos, e piora quando exposta ao sol. O sintoma pode melhorar com o uso de compressa fria. Pode crescer depressa, mas o mais comum é crescer lentamente ou estacionar. Geralmente não há necessidade de operação.

  • O deficiente visual, com o auxílio de lentes de aumento, pode ter uma vida quase normal.
  • É errado afirmar que quem tem vista fraca não deve forçá-la. O esforço visual é muito importante para melhorar as condições dessa deficiência. O esforço faz a vista trabalhar mais e se desenvolver.
  • Para reabilitar uma pessoa cega é preciso muito trabalho e dedicação.
    O cego pode exercer muitas atividades, tanto no ambiente doméstico como no trabalho. Para isso precisa ser treinado e educado.
  • A criança que nasce cega deve ser estimulada e receber educação especial desde cedo.
  • Se você conhecer pessoas cegas ou que tenham algum membro da família com esse problema, oriente-as para que procurem um serviço de aconselhamento genético. Só assim elas poderão conhecer os riscos de ter filhos com o mesmo problema.

Este Manual da Boa Visão, que estamos reproduzindo na íntegra, com alguns acréscimos, foi publicado em 1996, como parte da Campanha Nacional de Prevenção da Cegueira e Reabilitação Visual (VEJA BEM BRASIL), lançada oficialmente em 25 de abril de 1996.

Esta campanha, que contou com o apoio do Governo Federal, através do Ministério da Saúde, da Unicamp – Universidade Estadual de Campinas e da W.K.Kellogg Foundation, foi coordenada pelo CBO – Conselho Brasileiro de Oftalmologia e realizada por médicos oftalmologistas de todo o País, tendo atingido mais de dez milhões de brasileiros de todas as idades e promovido a recuperação da visão de mais de 30 mil idosos. Como forma de divulgar ainda mais o espírito desta grande e vitoriosa campanha, tomamos a liberdade de reproduzir este manual, que foi distribuído gratuitamente à população.

Como complementação, acrescentamos os seguintes itens que não faziam parte do original: Ametropia, Astigmatismo, Blefarite, Calázio, Cirurgia Refrativa, Hipermetropia e Miopia. Este itens adicionais, que fazem parte das perguntas mais freqüentes dos nossos pacientes, permanecem grifados em azul.

Campanhas de oftalmologia preventiva como estas, comprovam o elevado padrão ético e o alcance social da nossa medicina e fazem do Brasil um exemplo para o mundo.

(Dr. Maurício Maciel – Cremeb 7621 – Diretor Administrativo da VisualMed)
Manual da Boa Visão / 4ª Edição /• Coordenação: Núcleo de Prevenção à Cegueira / Unicamp. Autores: Newton Kara José, Alzira Maria N. Delgado, Vera Lucia P. Bussiki, Carlos Eduardo L. Arieta / Criação e Arte:TradesignComunicação e Marketing S/C Ltda./ Fotolito: Recigraf Campinas• Impressão: Imprensa Oficial do Estado S.A. – IMESP – São Paulo

VISUALMED
CLIHON - VISUALMED - Salvador
Av. Tancredo Neves, 1632 - Salas 511 a 513 - Torre Norte, Salvador Trade Center
CEP 41.820.021, Tel:. (71) 3341-5340 / 3341-0760 / 3113-4216
WhatsApp (71) 98794-5783  (71) 98794-5783
visualmed@visual.med.br / www.visual.med.br
CLIHON - Feira de Santana
Rua Barão do Rio Branco, 882 - Centro Médico Augusto Freitas - Sala 505
CEP 44.010.000, Tel.: (75) 2102-2000
clihon@clihon.com.br / www.clihon.com.br
Clihon - Visualmed Medicina da Visão. © 2017 - 2018. Todos os direitos reservados.